• A maior movimentação social de todos os tempos
     
      http://stephi.net.br/v1/?p=280
  • Evernote Food
     
      http://stephi.net.br/v1/?p=277
  • Uma nova rotina
     
      http://stephi.net.br/v1/?p=271
  • Um mural online para compartilhar suas imagens, fez do Pinterest o centro de atenções dos usuários
     
      http://stephi.net.br/v1/?p=262
  • A consolidação do mkt digital
     
      http://stephi.net.br/v1/?p=254


Últimos Posts

Arquivo para » outubro, 2011 «

O divisor de aguas no mkt das empresas

Os profissionais de marketing digital só têm motivos para comemorar. O cenário nunca foi tão positivo e o mercado nunca esteve tão aquecido como agora. De cinco anos para cá,o marketing digital virou a bola da vez em todas as empresas. Temos vários motivos que explicam essa necessidade, um deles é o crescimento significativo no volume de acessos aqui no Brasil. Hoje o Brasil conta com mais de 78 milhões de usuários na internet (a partir de 16 anos – setembro/2011 fonte Ibope/Nielsen. Somos o 5º país com o maior número de conexões à Internet. O tempo médio de navegação mensal esta em torno de 70 horas e grande parte dele 80% é gasto nas redes sociais e aplicativos on-line (MSN, Emule, Torrent, Skype, etc.)
Esse crescimento foi possível graças a “democratização” de tecnologia e possibilidade de acesso via mobile que tornaram os preços mais atraentes para o consumidor. A entrada da classe C para o clube dos internautas foi significativa e a previsão nos próximos anos é a expansão desse aumento no número de usuários residenciais. A previsão é que 30 milhões de novos usuários entrarão na rede nos próximos 4 anos.
Todos esses números fizeram com que as empresas repensassem suas estratégias de marketing e vissem a necessidade de ter um relacionamento online com seus clientes. Atualmente pesquisa realizada pelo mundo do marketing mostra que 90% das empresas realizam ações de marketing digital envolvendo tanto as redes sociais como mídia e relacionamento via email marketing.
Especificamente no setor de educação tivemos uma mudança na percepção do marketing nas IES. Podemos dizer que, há algum tempo, o marketing era visto com o único objetivo de divulgar o vestibular para atrair novos alunos. Hoje, temos esse papel ampliado na participação das ações de todas as áreas e setores e nas funções de retenção de alunos e planejamento de ações integradas com o meio acadêmico através do uso de plataformas digitais (sites, redes sociais, divulgação via Mobile, relacionamento via email, blogs)
Meu trabalho consiste em potencializar esse relacionamento do consumidor com a marca através de cada uma das plataformas acima citadas. Especialmente nas redes sociais, conseguimos personificar a imagem da IES e torná-la presente do cotidiano dos nossos alunos. O trabalho em todas as plataformas é constante e diário provendo conteúdo, solucionando duvidas, transmitindo informações acadêmicas e também de interesse publico, divulgando os trabalhos feitos pelos professores, seus eventos, palestras, novidades, sempre visando compartilhar conteúdo e promover conversas com a comunidade interna e externa.

Cupons perdendo o folego

A Vivo anunciou hoje seu serviço de compras coletivas via celular. O serviço é o primeiro do gênero de uma operadora no Brasil. O usuário recebe ofertas por SMS e MMS e pode fazer compras por meio de um site móvel do tipo WAP e de um portal de voz. Enquanto temos novidades aqui na terrina, nos EUA alguns desses sites começam a perder o fôlego.
A oferta pública inicial do Groupon foi adiada repetidas vezes devido ao tumulto nos mercados de ações e a erros internos da companhia. Seus executivos dizem que a abertura de capital está a caminho, mas analistas afirmam que talvez não aconteça. Como o Groupon, dezenas de sites similares estão fechando as portas, se reformulando ou participando de fusões. Quando será que aqui na terrinha os “cupons” deixarão de ser novidade? Não sou pessimista, mas acredito que esse mercado de compras coletivas já atingiu o topo da curva de crescimento e não vá durar mais que 2 anos. Afinal não é sustentável. O lado bom é que muitas empresas aprenderam que ofertas funcionam e que, as vezes, mais vale ganhar no volume do que ter um estabelecimento caro e vazio.

Reflexões sobre o Digital Age

Semana passada participei de um dos eventos mais comentados em marketing digital. O Digital Age ocorre há uns 3 anos e em dois dias, busca mostrar as tendências e discutir os temas mais polêmicos do nosso dia a dia digital. Nessa edição, tivemos alguns highlights interessantes sobre o rumo da comunicação e dois assuntos me chamaram a atenção, o crescimento das ações via Mobile e o social commerce.
Foi mostrado em uma das apresentações que o investimento de internet no Brasil já é 10% do bolo publicitário. Se seu plano de mkt não tem de 10 a 15% direcionados para online, algo está errado.No meu plano diria que investimos 18% do bolo, no digital. Isso comprova que estamos no caminho certo?
Bem, alem dessa veriguação temos que hoje as empresas estão mais maduras e estão aprendendo a aproveitar o que o consumidor fala sobre sua marca na web. Elas descobriram que a marca hoje é muito mais do que um produto ou serviço, é questão de relacionamento. Também de dois anos para cá, temos uma mudança na percepção de atuação nas mídias, depois de “camelar”, as empresas perceberam que entrar nas redes sociais sem estabelecer um diálogo com os consumidores é suicídio e que estar na web exige planejamento e consistência. Os mercados estão cada vez mais inteligentes, os produtos precisam ser melhores e o atendimento precisa ser fantástico.
Um dado surpreendente foi sobre o tráfego gerado por smartphones e tablets aumentou em 60% nos últimos 4 meses. Mobile é a maior perspectiva para o marketing digital dos próximos anos, todos os palestrantes sinalizaram para essa questão do celular hoje ser um equipamento de informática e uma extensão do braço.
A banda larga no Brasil será a ferrovia para o futuro. O impacto da banda larga se assemelha com outras infras como eletricidade. Nos próximos 4 anos, 30 milhões de novos usuários entrarão na rede, mas são analfabetos funcionais, como dialogar com esse público? Hoje o número de internautas brasileiros –80 milhões – tem crescido a uma taxa de 25% anualmente. Isso repercute, por exemplo, no varejo, já que o comércio online corresponde a um décimo das vendas do setor. E nessa questão do varejo é que temos a inovação o social commerce que na verdade trata de levar o modelo de venda porta a porta para as redes sociais. Nessa sentido, o Magazine Voce é um aplicativo pioneiro que permite ao usuário criar uma espécie de loja virtual em seu perfil. A cada transação que fechar a partir de sua conta, o internauta receberá uma percentagem sobre o preço da mercadoria – entre 2,5% e 4,5% – sendo que a Magazine se responsabilizará pela entrega e pela cobrança do valor acordado. Um conceito de pirâmide nas redes sociais. É a inovação da Orolix, empresa que ajudei a fundar há 7 anos, onde o usuário era remunerado por indicar amigos a usarem o acesso discado, daqui para frente ele será remunerado por indicar amigos a comprarem. Que venha o futuro ;)